cover

4

Título: Atom by Atom

Ano de Lançamento: 2015

Gêneros: Heavy Metal, Thrash Metal

1. Farewell Revolution: uma faixa gritada e forte com excelente instrumental e um belo solo. Nota: 4/5

2. Fallen Saviour: uma excelente música de Thrash Metal com refrão marcante, ótimo trabalho de guitarras e letra bem feita. Além de tudo isso, “Fallen Saviour” ainda tem um solo matador na metade da música. Nota: 4.5/5

3. Ruination: com um excelente riff e uma igualmente excelente linha de baixo que acompanha o riff de perto, “Ruination” é uma das faixas mais pesadas e técnicas do disco. O refrão é o grande destaque da música, por ser cativante e bem fiel a proposta da música. Nota: 4.5/5

4. The Devil’s Infantry: mais um riff complexo da abertura a uma das faixas mais Thrash Metal do disco, na velocidade da luz. A faixa também é muito bem cantada e tem um bridge bem agressivo. O solo também é digno de nota sendo um dos mais viscerais de todo o trabalho. Nota: 5/5

5. Atom by Atom: uma faixa que lembra a época do NWOBHM, movimento do qual Satan fez parte no início dos anos 80. O instrumental é legal mas as linhas vocais não são tão marcantes quanto as das faixas anteriores. Nota: 4/5

6. In Contempt: a faixa mais obscura do disco é um vigoroso Thrash Metal com excelentes riffs e um trabalho de bateria espetacular, o vocal também não decepciona e segue a risca os velozes riffs da música. Nota: 3.5/5

7. My Own God: mais uma faixa muito técnica da as caras em Atom by Atom, “My Own God” é uma das melhores músicas do disco, com um excelente riff, uma ótima performance vocal e um refrão acessível. Nota: 4.5/5

8. Ahriman: a música mais fraca do trabalho ainda é uma boa faixa, com bons riffs, gritos legais e versos fortes. Nota: 3.5/5

9. Bound in Enmity: uma música que beira o Progressive Metal, tem riffs viscerais e ótimos versos, apesar do refrão simples demais. Nota: 4/5

10. The Fall of Persephone: o épico do disco fica para o fim, com riffs animados, uma excelente performance do baixista Graeme English e a presença do vocal competente de Brian Ross. Não é uma das melhores faixas do disco mas é ótima. Nota: 4/5

Conclusão: as lendas do Heavy Metal da bada Satan ainda tem muita lenha pra queimar, e lançaram um álbum digno de admiração em 2015, com riffs tinindo, vocal elaborado, bateria furiosa e baixo expressivo.

Destaques: “Fallen Saviour”, “Ruination”, “The Devil’s Infantry” e “My Own God”.

Anúncios