Folder

3

Título: Forged in Fury

Ano de Lançamento: 2015

Gêneros: Death Metal, Thrash Metal, Extreme Metal

1. Scars of the Hatred: começando com um excelente riff, o décimo trabalho do Krisiun mostra que não está pra brincadeiras, com uma faixa brutal que remete a Destruction e por incrível que pareça tem pitadinhas de St. Anger (2003) que não atrapalham a experiência geral que carrega uma ótima letra e um excelente refrão. Nota: 3.5/5

2. Ways of Barbarism: com um estupendo instrumental, o primeiro destaque do disco é uma faixa com muitos elementos progressivos, sonoridade intensa, excelente letra e ótimo refrão. Nota: 4/5

3. Dogma of Submition: uma faixa de Extreme Metal intensa que remete a Venom tem um peso absurdo, riffs incríveis, excelente baixo, bateria poderosa, vocal brutal e refrão viciante. Nota: 4.5/5

4. Strength Forged in Fury: uma forte música de Death Metal com bom instrumental, ótima letra, bons versos e refrão soturno. Nota: 3.5/5

5. Soulless Impaler: uma faixa focada no peso, tem elementos de Thrash Metal e Groove Metal, com um riff muito veloz, vocal agressivo, boa letra e um refrão decente. Nota: 3.5/5

6. Burning of the Heretic: a faixa mais brutal do trabalho até então (resenha ao vivo) é uma aula de agressividade, com bons versos, ótimos riffs, letra razoável e refrão pouco cativante. A pior faixa do disco até então. Nota: 3/5

7. The Isolated Truth: a faixa mais experimental do disco remete novamente a Venom, com peso frequente, excelentes, riffs, ótima letra, ótimos versos e um estupendo refrão. Nota: 4/5

8. Oracle of the Ungod: a faixa mais intensa do disco, conta com excelente instrumental, vocal extremo, ótima letra, bom instrumental e uma certa progressão. Nota: 4/5

9. Timeless Starvation: com uma entrada de atmosfera sombria, “Timeless Starvation” é uma música forte, com excelente riff base, ótimos versos, mostrando influências de Soulfly, um ótimo refrão e peso inigualável. Nota: 3.5/5

10. Milonga de La Muerte: um instrumental dedilhado meio sombrio com um ótimo clima para o fim do trabalho. Nota: 3.5/5

Conclusão: o Krisium vem forte com seu Death Metal vigoroso e cheio de influências. O instrumental é incrível, o andamento é forte, as letras são ótimas e as performances vocais brutais. Um dos discos definitivos do Metal brasileiro em 2015.

Destaques: “Ways of Barbarism”, “Dogma of Submission”, “The Isolated Truth” e “Oracle of the Ungod”.

Anúncios