black halo

5

Título: The Black Halo

Ano de Lançamento: 2005

Gêneros: Power Metal, Progressive Metal

1. March of Mephisto: a faixa mais popular da banda, merecidamente, é composta por uma entrada magistral, versos extremamente bem cantados, uma puta letra, instrumental excelente e um dos melhores refrões do Power Metal. Nota: 5/5

2. When the Lights Are Down: uma animada faixa de Power Metal com excelente instrumental, ótimos versos, soberba performance vocal e refrão viciante. Nota: 4/5

3. The Haunting (Somewhere in Time): uma faixa com letra sombria com ótimo instrumental, excelentes melodias vocais com uma performance poderosa de Roy Khan e um dos melhores bridges e refrões do disco. Nota: 4.5/5

4. Soul Society: uma pesada faixa com ótimo vocal, boa letra, instrumental excelente e um igualmente excelente refrão. Nota: 4/5

5. Interlude I: Dei Gratia: uma tenebrosa entrada pra sexta música do trabalho. Nota: 4.5/5

6. Abandonned: a primeira balada do disco é carregada pela emocional performance vocal de Roy Khan e o excelente trabalho de piano que só é complementado por um doce refrão e um lindo violino de fundo. A letra também é excelente. Nota: 4.5/5

7. This Pain: a sétima faixa do trabalho tem um excelente instrumental, versos com melodia incríveis acompanhados de um estupendo riff que esbanja técnica e um refrão poderoso. Uma das melhores faixas de Progressive Metal do disco. Nota: 5/5

8. Moonlight: com um início orquestrado, é uma faixa de Power Metal com ótimo riff, versos bem feitos e bem cantados e com um refrão marcante. Nota: 4.5/5

9. Interlude II: Un Assassinio Molto Silenzioso: entrada de Folk para a décima faixa do disco. Nota: 4/5

10. The Black Halo: a música mais progressiva do disco tem um excelente instrumental, ótimos versos muito bem escritos, performance vocal visceral de Roy Khan, um ótimo bridge e o segundo refrão mais memorável do disco. Nota: 5/5

11. Nothing Ever Dies: uma faixa de Power Metal veloz com um ótimo riff, boa performance vocal, letra bem feita, versos cativantes e um refrão poderoso. Nota: 4/5

12. Memento Mori: a música mais longa do disco beirando os 9 minutos começa com um instrumental delicado de piano, uma bela performance vocal, trechos orquestrados e peso crescente e um ótimo refrão. Nota: 4.5/5

13. Interlude III: Midnight – Twelve Tolls For A New Day: sombrio instrumental com sons ao contrário, sons atmosféricos e um monólogo. Nota: 4/5

14. Serenade: o disco fecha com uma vigorosa faixa de Power Metal com excelente instrumental, a melhor performance vocal de Roy Khan em todo o trabalho, uma ótima letra e um refrão extremamente bem feito. Música inesquecível. Nota: 5/5

Conclusão: em seu melhor disco até hoje o Kamelot apresenta um trabalho épico e progressivo, cheio de grandes momentos, excelentes letras, performances vocais poderosas e técnica.

Destaques: “March of Mephisto”, “The Haunting (Somewhere in Time)”, “This Pain”, “The Black Halo”, “Memento Mori” e “Serenade”.

Anúncios