capa

5

Título: Chaos and Creation

Ano de Lançamento: 2015

Gênero: Progressive Metal

1. Dark Matter: um lindo início dedilhado e já progressivo que da entrada ao disco de forma épica. Nota: 4/5

2. The Maestro of Creation: começando com um excelente toque de piano – ou teclado, as vezes é difícil as vezes diferenciar – começa a primeira faixa do disco, que logo evolui com peso e complexidade. A música conta com uma excelente performance vocal, versos bem escritos e um refrão muito carismático e um solo esplêndido. Nota: 4.5/5

3. Life: com uma excelente entrada apenas com vocal e guitarra, a segunda música do disco começa surpreendentemente mais forte que a anterior, passando rapidamente pra um instrumental brutal que serve de abertura pra um riff cadenciado de ótima qualidade, versos poderosos e agressivos com uma boa letra e um refrão marcante. Nota: 4/5

4. Psycho Minds: começando com um excelente trabalho de guitarra que logo tem baixo agregado a sonoridade também, é uma faixa bem mais amena que as anteriores, levada pelo vocal melancólico em seus versos grudentos e refrão espetacular, em ambos os casos muito bem escritos que a certo ponto dão espaço a um solo visceral com técnica apurada e muito bom gosto pra melodias. Destaque absoluto pra performance vocal. Nota: 4.5/5

5. Nameless: novamente o piano (ou teclado) da as caras no início de “Nameless”, o instrumental vai ficando cada vez mais intenso e tem seu pico criativo com a entrada de um vicioso riff seguindo a melodia do piano. A faixa é cadenciada, com fortes versos muito bem cantados em acompanhados de muito peso lembrando bastante os últimos trabalhos do Symphony X. O refrão é lindo e a música no geral é excelente, com uma excelente letra. Nota: 5/5

6. Slow Death: começando com um instrumental intenso, “Slow Death” mostra uma surpreendente delicadeza em seu primeiro verso, tendo como principal atrativo o excelente baixo. Logo a música toma um tom mais agressivo nos versos e ele é novamente quebrado – é uma música cheia de quebras rítmicas – pra um refrão melódico e com uma mensagem forte. Nota: 4/5

7. The Maestro of Chaos: a faixa mais pesada e visceral do disco tem instrumental no limite da velocidade, peso e técnica, com vocais agressivos e excelente letra e um refrão espetacular e muito melódico, com vocais duplos e ótimo senso melódico. O solo surpreende novamente e é muito caprichado e técnico. Nota: 4.5/5

8. Deep Black Hole: uma música que começa delicada e logo ganha intensidade, tem versos incríveis com uma letra impecável e vocal lembrando o de Zakk Wylde. Além dos versos espetaculares a música conta com refrão incrível e muito melódico onde o instrumental também passa a ser orquestrado, e um solo forte e em perfeita sintonia com o restante da música. Nota: 5/5

9. The Third I: começando com linhas de baixo orientais, a música cresce e se torna uma faixa brutal, com excelente instrumental, em uma introdução de quase 2 minutos, onde finalmente entram os vocais que dessa vez são agressivos e destoam em relação ao refrão melódico da música, pra completar temos um ótimo solo que finaliza a faixa com maestria instrumental. Nota: 4.5/5

10. The Last March: uma música que de fato começa marchada, em alguns segundos muda pra um petardo do Progressive Metal com um épico instrumental, versos belos e melódicos com excelente letra e uma performance vocal poderosa e um refrão carregado, pesado e gritado. Nota: 4/5

11. Universe Illusion: a faixa mais longa do trabalho com quase 7 minutos começa com vocalizações graves, um instrumental técnico e denso e ótimos versos, mas refrão um tanto decepcionante por ser aquém do restante da música, infelizmente a tornando a pior faixa do disco, mesmo com a seção instrumental matadora na segunda metade e a excelente performance vocal. Mas esses elementos a evitam de perder meio ponto e ela continua com uma nota sólida. Nota: 4/5

Conclusão: os paulistas do Eleven Strings já em seu primeiro disco mostram a o que vieram com um trabalho singular de Progressive Metal que esbanja inspiração em instrumentais elaborados, performances vocais estelares, um gigante senso de melodia e letras escritas de forma soberba, que exacerbam o grande talento da banda em compor e em executar suas composições. Resumindo, é um excelente trabalho que pode marcar o cenário nacional se tratando de Progressive Metal contanto que recebam a merecida e devida atenção do público brasileiro.

Destaques: “The Maestro of Creation”, “Psycho Minds”, “Nameless”, “The Maestro of Chaos”, “Deep Black Hole” e “The Third I”.

Vocês podem adquirir o álbum diretamente com a banda na página do Facebook deles, o valor é apenas R$ 10,00.

Anúncios