O Coldplay sempre foi uma banda que dividiu águas. Enquanto muitos os viam como criativos outros os viam como uma mera cópia de U2, mas com o tempo não há como negar que a banda estabeleceu seu espaço na indústria musical e não pretende deixar ele de lado tão cedo. É incrível como a carreira dos caras oscilarou entre o ótimo e o inaceitável em tão pouco tempo de existência, mas esses artistas que polarizam opiniões chegaram a seu nível mais baixo esse ano, com A Head Full of Dreams.

Coldplay – A Head Full Of Dreams (2015)...Freak37.jpg

2

Título: A Head Full of Dreams

Ano de Lançamento: 2015

Gêneros: Alt. Rock, Indie Rock

Com um clima atmosférico rondando todas as suas faixas, A Heart Full of Dreams se esforça seriamente pra ser um álbum divertido e cativante e em certa parte até consegue isso, mas de forma curiosa só chegam a esse objetivo quando são menos originais, e mais previsíveis, quando imitam o estilo de algum outro artista, coisa típica da sonoridade da banda por abranger múltiplas inspirações e fazer referências a elas através de toda a discografia da banda.

Toda tentativa de soar original no disco como em “Birds”, “Hymn for the Weekend”, “Adventure of a Lifetime”, “Amazing Day” e “Up&Up” a banda falha miseravelmente em apresentar um bom trabalho e faz torna as músicas chatas e maçantes. Já quando eles optam por imitar vários elementos de U2 dos anos 2000 e mais recentemente Imagine Dragons descaradamente em faixas como “A Head Full of Dreams”, “Army of One” e “Colour Spectrum” a banda triunfa e entrega um decente resultado final que merece reconhecimento, afinal, se vai copiar, copie bem.

Concluindo, eu quero deixar claro que achei esse de longe o pior disco de toda a carreira dos ingleses do Coldplay, que já estava em baixa desde Mylo Xyloto (2011) e espero de coração uma melhora e repaginada completa marcando uma volta aos tempos dos ótimos Parachutes (2000) e A Rush of Blood to the Head (2002). Destaque absoluto para a capa do disco que é bela é tenta passar um ar energético e vibrante como lema do disco.

Destaques: “A Head Full of Dreams”, “Army of One” e “Colour Spectrum”.

Anúncios