Apesar de temática parecida com a de Tankard, Radioactive Murder tem uma proposta original e faz um Thrash Metal que se aproxima mais do trabalho do Death em seus primeiros discos. Veja o que tenho a falar sobre o primeiro EP da banda.

1800342_659518770771888_867642357_n

4

Título: Violent Force

Ano de Lançamento: 2015

Gêneros: Thrash Metal, Death Metal

Com instrumental inventivo, vocais ríspidos e refrões impactantes o Radioactive Murder começa sua carreira em grande forma apresentando um trabalho coeso e que esbanja profissionalismo. Já na primeira música intitulada Only Death a banda já mostra que tem instrumentistas competentes e que sabem fazer um instrumental técnico sem perder o peso e a agressividade do Thrash Metal. É interessante o uso de efeitos durante boa parte da música e apesar de meio longa (6:21) ela não é cansativa e mostra uma banda que toca com vigor e um vocalista que tem bom controle de sua voz variando entre gritos agressivos e screamo da mais alta qualidade, lembrando até vagamente Kreator. A segunda faixa chamada Violent Force é mais direta que a anterior e com uma incrível performance vocal do vocalista Lucas sabe-se lá qual o sobrenome. É uma música que impõe uma sonoridade violenta e agressiva apresentando um ótimo instrumental e um refrão digno de nota, sendo o ápice dessa atroz música.

Bringer of Hate tem um instrumental mais técnico que as duas músicas anteriores, com um trabalho de baixo espetacular e um dos solos mais diferente e criativos que eu já ouvi, além de versos poderosos mas uma letra um pouco difícil de entender por uma falha de dicção no vocalista especialmente no refrão que abusa de guturais. Ela demonstra uma pequena queda de qualidade em relação as anteriores mas ainda é uma ótima faixa. Beer é uma música de Death Metal puro com agressividade impar e um refrão questionável onde a única coisa que ouvimos são vociferações da palavra cerveja em inglês. É algo bem característico do Tankard que foi emprestado pela banda nessa curtíssima faixa e os versos a salvam de uma possível perda total. Em Thrash, Beer and Destruction novamente é emprestada a temática do Tankard mas em uma faixa mais inventiva, com excelente instrumental e um vocal agressivo falando sobre não conseguir se controlar e com aparentes referências a outros artistas do gênero, como Megadeth, contando com um refrão composto de riffs técnicos e muita agressividade e com um intenso solo finalizando o EP.

Destaques: Only Death e Violent Force.

Anúncios