A banda brasileira emergente de nome chato pra caralho de digitar Jäilbäit lançou um trabalho em 2014 com as promessas de apresentar um Rock clássico e sem rodeios com ênfase em sonoridades do passado que tanto nos contagiaram através dos anos. Mas a questão é, será que eles triunfaram? Descubra nesse faixa a faixa ao vivo, coisa que eu não fazia a tempos.

Front.png

3

Título: Who da Fuck Are You?

Ano de Lançamento: 2014

Gêneros: Heavy Metal, Hard Rock

“We Are The Jailbait” não é uma música de Rock clássico nem fodendo, é tanto em vocal como instrumental uma faixa de Heavy Metal que segue a mesma ideologia sonora e comportamental do Motörhead, renegando a alcunha Metal ao som da banda. Mas o peso e a agressividade não negam. No mais é uma faixa simples e direta que pode agradar os menos exigentes mas que não traz nada de inovador ou diferente para o mundo da música. Ela é seguida por “Going to Wacken, uma música extremamente melhor em todos os sentidos e que exacerba habilidade vocal e senso de diversão em seus animados e contagiantes riffs que compõem um instrumental direto e creio até que brutal, não sendo acompanhado pelo propósito da temática lírica da música. “Take It Easy” é uma descontraída faixa de Hard Rock com instrumental legal, ótimos versos e um refrão simplório mas que não prejudica a música graças a seu imponente instrumental que é muito acessível e bem feito. “Jailbait Squad” é uma música de… OK… agora é Rock clássico. Lembra AC/DC no início por sua sonoridade crua e vocal debochado e desleixado e tem uma temática interessante mas clichê sobre fazer Rock ‘n’ Roll, o que não é lá uma grande novidade hoje em dia mas encaixa bem com o aparente objetivo da banda aqui. “Just a Boy” é uma animada música de Hard Rock contando com um bom instrumental, versos bem construídos e um vocal bem feito e que apesar de grande uso de drives não soa sujo ou agressivo.

“Do You Wanna Be a Rockstar?” é mais uma música direta, com excelente riff, a melhor performance vocal no disco até o momento e uma ótima letra, com sonoridade bem próxima do que o Saxon vem fazendo nos últimos anos. Um Heavy Metal puro e divertido que tende a não decepcionar de forma alguma os fãs do estilo. “Otário (Sucker)” apesar do nome não é uma música em português, mas conta com um vicioso instrumental e uma ótima nota bem alta no começo da música, ganhando poder com a chegada dos versos e em seu intenso e divertido solo. É uma música animada e de bem com a vida que não atinge da forma esperada (ou seja, em forma de uma música em português brasileiro), mas atinge da forma que pode, e atinge forte. “Born to Win” é uma faixa de Hard Rock tradicional com excelente apelo Pop, bons vocais, uma letra interessante sobre ser o fodão da parada em uma abordagem bem construída e que conta com um ótimo solo. Não se destaca no disco, é verdade. Mas é uma música muito boa. “Lone Wolf” é focada no baixo e em vocais agressivos e tem uma mixagem um pouco mal feita mas acho que foi algo proposital pra ela soar suja e anárquica. A performance de todos os membros da banda chama a atenção na faixa mas ela também não tem grandes motivos pra ser um destaque do disco.  “Bäit Blues” é uma música que novamente remete a AC/DC no início da carreira deles com um bom instrumental, uma performance vocal curiosamente desleixada e que chega a ser mal feita e uma letra razoável, sendo a faixa menos interessante do trabalho e não finalizando o disco com a devida qualidade.

Destaques: “Going to Wacken”, “Take It Easy”, “Just a Boy”, “Do You Wanna Be a Rockstar?” e “Otário (Sucker)”.

Anúncios