Já com décadas de carreira nas costas os experientes músicos do Motörhead lançam um disco definitivo de sua nova formação em 2004, com uma performance exemplar do trio e um impecável senso de musicalidade.

51VWM2FS4XL

4

Título: Inferno

Ano de Lançamento: 2004

Gêneros: Heavy Metal, Hard Rock, Speed Metal

“Terminal Show” abre o disco com muita intensidade com riffs espetaculares e uma forte performance vocal de Lemmy em uma das músicas de abertura de melhor qualidade da história do Metal. “Killers” tem um riff bem tradicional de Heavy Metal clássico com uma pegada forte na bateria de Mikkey Dee e um excelente refrão. “In the Name of Tragedy” tem um instrumental espetacular acompanhado de uma das melhores performances da carreira de Lemmy nos vocais, sendo uma faixa energética, com excelente refrão e um ótimo solo. “Suicide” é uma faixa pesada e bem rítmica, com uma ótima performance vocal de Lemmy acompanhando o ritmo dos riffs, coisa rara na carreira da banda. O refrão é forte mas mesmo assim a música não consegue se destacar no disco.

“Life’s a Bitch” é uma música de Heavy Metal tradicional com um excelente riff base, uma ótima performance vocal de Lemmy e um andamento divertido e contagiante, explodindo no carismático refrão. “Down on Me” é uma música de Thrash Metal que esbanja peso e velocidade, além de uma feroz performance vocal de Lemmy e um refrão inesquecível e muito marcante. “In the Black” é mais uma música muito divertida, com excelentes riffs, uma performance vocal bem rasgada de Lemmy e um refrão muito bom. “Fight” é talvez a música mais veloz do trabalho mas infelizmente é uma das menos inspiradas, com uma letra repetitiva e um refrão que não cativa muito.

“In the Year of the Wolf” é uma faixa de Hard Rock com um bom riff base e uma ótima performance vocal, mas não chama a atenção por sua excessiva simplicidade e aquele cheirinho de auto-plágio flutuando pelo ar. “Keys to the Kingdom” não é só a melhor música do disco, como também é a melhor música da banda nos anos 2000, com um instrumental impecável, uma performance vocal muito rouca e característica de Lemmy Kilmister e um refrão cativante e fascinante. “Smiling Like a Killer” é uma simples música de Speed Metal com excelente riff base, uma divertida performance vocal e uma letra bem descontraída. “Whorehouse Blues” fecha o disco com uma música blueseira e muito bem feita com um excelente arranjo e uma ótima performance vocal.

Destaques: “Terminal Show”, “In the Name of Tragedy”, “Down on Me”, “In the Black”, “Keys to the Kingdom” e “Whorehouse Blues”.

Anúncios