Em seu primeiro disco de sucesso o Motörhead trouxe à mesa velocidade, peso e carisma em clássicos inesquecíveis que influenciaram muitas bandas no futuro por sua sonoridade raivosa e agressiva graças a ríspida voz do saudoso Lemmy Kilmister.

Motorhead-Overkill-1979

5

Título: Overkill

Ano de Lançamento: 1979

Gêneros: Heavy Metal, Hard Rock, Speed Metal

Começando com a faixa título, Overkill, a velocidade está em alta e a agressividade na voz de Lemmy é notável e adiciona um tom animalesco e violento a sonoridade suja e cheia de influências do Punk Rock da banda The Stooges e do Heavy Metal da banda Judas Priest do som do Motörhead no inicio de sua carreira. É uma música sensacional que figura entre as melhores de toda a carreira da banda. Stay Clean da continuidade ao disco com influências de Judas Priest em uma cadenciada música com uma excelente performance vocal de Lemmy, uma ótima letra e um lendário e viciante refrão que usa de simplicidade para cativar. “(I Won’t) Pay Your Price” tem influências fortes de Punk Rock, em sua proposta anárquica e rebelde que demonstra ousadia da parte da banda ao fazer aquele típico som que as mães americanas e inglesas não querem que os filhos ouvem. “I’ll Be Your Sister” tem um dos melhores riffs do disco e é muito ritmada, com vocais agressivos e boas doses de brutalidade em sua forte sonoridade que é acompanhada por uma ótima letra e um impecável trabalho de Phil Taylor nas baquetas. Ela é seguida pela pesada “Capricorn”, que tem uma excelente sonoridade com um riff vicioso e uma brutal performance vocal que mostra extremo poder da parte de Lemmy em uma música que infelizmente não se tornou um clássico da banda apesar de se tratar de um dos melhores momentos de toda a carreira da banda.

“No Class” é um clássico absoluto que mostra selvageria vocal, uma letra impositora, uma melodia divertidíssima e um característico refrão simplista tipico da banda, repetindo o nome da faixa. “Damage Case” é uma música mais simples, com uma ótima letra, riff constante e um ótimo solo, não tendo grande destaque no disco. “Tear Ya Down” tem um trabalho de baixo impecável da parte de Lemmy Kilmster, que também apresenta novamente aquele vocal agressivo e rebelde oriundo de The Stooges em uma faixa onde o lema é diversão, com um excelente instrumental e um viciante refrão. “Metropolis” é a melhor e mais diferente música do disco, apresentando um instrumental muito criativo e pesado onde o trio chama a atenção pela perfeita sintonia entre seus instrumentos, com um vocal de duplas camadas que representa muito bem a inovação encontrada na faixa por ser algo até então não visto vindo do Motörhead, tendo seu pico no hábil solo que domina o meio da música. “Limb from Limb” finaliza o disco com ótimos riffs, uma performance vocal marcante, uma letra muito bem feita e solos excelentes, e apesar de não ser um de seus destaques é uma faixa absolutamente fantástica com uma das quebras rítmicas mais surpreendentes de toda a discografia do Motörhead.

Destaques: “Overkill”, “Stay Clean”, “I’ll Be Your Sister”, “Capricorn”, “No Class” e “Metropolis”.

Anúncios