Em um disco cheio de participações especiais, Slash triunfa com a variedade e qualidade em um trabalho bem construídos e repleto de excelentes performances vocais.

Slash.jpg

3

Gênero: Hard Rock, Heavy Metal

A primeira música, chamada “Ghost”, tem participação de Ian Astbury, o vocalista do The Cult, em uma música contagiante, com uma ótima letra e um andamento animado. “Crucify the Dead” tem participação de Ozzy Osbourne em uma música de muito bem gosto com uma grande performance do madman em uma faixa de Heavy Metal contagiante e de letra meio mórbida. “Beautiful Dangerous” tem uma excelente participação da cantora Fergie do Black Eyed Peas em uma faixa de Hard Rock muito cadenciada e com boas doses de peso e um refrão cativante. “Back from Cali” é cantada por Myles Kennedy, o atual vocalista da banda, com ótimos versos mas um refrão abaixo do restante da música mesma com a ótima performance vocal de Kennedy. “Promise” é uma pesada faixa com participação muito especial de Chris Cornell, fazendo uma mistura legal entre Hard Rock e Post-Grunge como o mesmo fazia no Audioslave. A música é agradável e tem uma boa performance vocal, e o problema aqui é novamente o refrão que é aquém das capacidades vocais do cantor. “By the Sword” é cantada por Andrew Stockdale, da banda Wolfmother, com seus vocais agudos e um bom refrão para complementar a sonoridade que é abordada com certa seriedade na música. “Gotten” tem uma emocional performance vocal de Adam Levine em uma bela balada com um bom instrumental e um adorável refrão.

“Doctor Alibi” é uma música energética com participação de Lemmy Kilmster do Motörhead e é a faixa mais pra cima e contagiante de todo o disco. “Watch This” tem participação instrumental de Dave Grohl e Duff McKagan, sendo uma técnica música de Hard Rock com alto nível de agradabilidade. “I Hold On” é cantada por Kid Rock, e eu particularmente nunca fui com a cara desse cantor, mas aqui ele faz um trabalho acessível e decente, isso eu não posso negar. “Nothing to Say” com participação de M. Shadows do Avenged Sevenfold é de longe a melhor música do trabalho, com excelentes versos suportados por uma ótima performance vocal e um refrão muito carismático, surpreendendo até os haters do vocalista e sua banda com sua fortíssima imposição vocal que casou perfeitamente com a sonoridade. “Starlight” também é cantada por Myles Kennedy e abusa de toda a sua extensão vocal em uma Power Ballad emocional e muito bonita. “Saint is a Sinner Too” tem uma grande performance intimista de Rocco DeLuca, o vocalista da banda Rocco DeLuca and the Burden em uma música inspirada e delicada, com ótimos riffs de violão e uma boa construção. “We’re All Gonna Die” termina o disco de forma cativante com uma performance marcante de Iggy Pop em uma música energética e divertida que abrange vários estilos musicais em uma única abordagem.

Destaques: “Crucify the Dead”, “Nothing to Say” e “Starlight”.

Anúncios