40742_181115_1345_g.jpg

2

Título: Bruno Sutter

Ano de Lançamento: 2015

Gêneros: Heavy Metal, Power Metal

Tracklist:

  1. My Boss Is A Corpse
  2. GrAttitude
  3. Facing Temptation
  4. The Best Singer In the World
  5. Troll
  6. Stalker
  7. Socorro
  8. Rebuilding Destruction
  9. I Bloody Love to Love You
  10. Hatters Gonna Hate
  11. What If I Never Speed
  12. Hipócrita
  13. Provoke Yourself
  14. Galopeira

Bruno Sutter (o Detonator do eterno Massacration) tentou se levar a sério em seu primeiro disco solo mas uma coisa atrapalha o trabalho: as letras. É muito fácil encontrar músicas superficiais e sem graça no disco, como as péssimas “Troll”, “Stalker”, “Hatter Gonna Hate” e “Hipócrita, o trabalho tem sérios problemas líricos com o seu pico de ridiculosidade em “Hatters Gonna Hate”, com uma letra ridícula e até engraçada, mas não propositalmente infelizmente. O disco tem algumas músicas realmente boas, como a pesada “Facing Temptation”, a interessantíssima “The Best Singer In the World”, que apesar de se mostrar um pouco pretensiosa, tem um ótimo instrumental em seu núcleo, além da melhor performance vocal do disco. A veloz e agressiva “Rebuilding Destruction” também tem suas virtudes, sendo divertida e bem construída. Por último mas não menos importante temos a romântica “I Bloody Love to Love You” que da um tom de leveza ao trabalho e “Provoke Yourself” tem uma das poucas letras que impressionam no álbum. Confuso, o primeiro disco solo de Bruno Sutter surpreende em muitos aspectos e decepciona em outros, mas isso faz parte. Ele está começando com “trabalhos sérios” e creio que vai amadurecer com o tempo, mas por enquanto, resta um disco fraco e que desperta o interesse unicamente pela curiosidade.

Destaques: “Facing Temptation”, “The Best Singer In the World” e “Rebuilding Destruction”.

Anúncios