iron maiden fear of the dark.jpg

3

Título: Fear of the Dark

Ano de Lançamento: 1992

Gêneros: Heavy Metal, Hard Rock

Tracklist:

  1. Be Quick or Be Dead
  2. From Here to Eternity
  3. Afraid to Shoot Strangers
  4. Fear is the Key
  5. Childhood’s End
  6. Wasting Love
  7. The Fugitive
  8. Chains of Misery
  9. The Apparition
  10. Judas Be My Guide
  11. Weekend Warrior
  12. Fear of the Dark

Em um disco muito injustiçado por ser menos gostoso de ouvir que os álbuns dos anos 80 do Iron Maiden, Fear of the Dark tem muito a oferecer em músicas divertidas como “Be Quick or Be Dead”, a vintage “Fear is the Key” e o clássico cult “Judas Be My Guide”, uma das melhores faixas da carreira da banda. Há destaque também em faixas mais lentas e guiadas pelo vocal de Bruce Dickinson, que nesse trabalho, é predominantemente rasgado, com a bela e inspirada balada “Wasting Love”, a cadenciada “Chains of Misery”, com um excelente solo e uma forte performance vocal de Bruce Dickinson, e o épico “Fear of the Dark”, que se tornou a faixa favorita de boa parte da leva jovem de fãs da banda por sua melodia grudenta e espaço pra coros acompanhando os riffs quando ao vivo, contando ainda com um final intenso em que Bruce diz o nome da música aos gritos com um instrumental veloz. Existe uma menor quantidade de músicas ruins que no disco anterior, mas ainda existem, afastando o trabalho da genialidade. Elas seriam a progressiva “Childhood’s End” que parece muito inspirada na sonoridade do Queensrÿche e pouco inspirada na sonoridade da banda, o Hard Rock de “The Apparition” que lembra muito AC/DC, o que nunca é bom pra outras bandas que não sejam o AC/DC e por último “Weekend Warrior”, uma música meio repetitiva e que novamente remete demais a AC/DC pra Iron Maiden. É um bom disco. Tem suas imperfeições mas todos os discos do Iron Maiden exceto Somewhere in Time (1986) tem uma ou mais faixas fracas.

Destaques: “Be Quick or Be Dead”, “Afraid to Shoot Strangers” e “Judas Be My Guide”.

Anúncios