Sinopse: Jennifer Hills (Sarah Butler) ainda é atormentada pelo brutal estupro que viveu anos atrás (Doce Vingança, 2010). Ela mudou de identidades e cidades, participando relutantemente de um grupo de apoio para colocar sua nova vida em ordem. Mas quando os assassinos da sua nova amiga são libertados, os rumores de estupradores seriais começam a assombrá-la. Jennifer irá caçar os homens responsáveis e fazer o que o sistema não foi capaz – fazê-los pagar pelos crimes das maneiras mais horríveis possível, e dessa vez nenhum júri poderá salvá-la.

doce-vinganca-3_t97152_MOr8k3Q_jpg_290x478_upscale_q90.jpg

2

Gêneros: Terror. Suspense.

Dirigido por R.D.Braunstein.

Protagonizado por Sarah Butler.

Em um grupo de apoio, Jennifer do primeiro filme mudou seu nome para Angela e rapidamente faz amizade com uma mulher sensual, feminista e de comportamento controverso e intenso, que a da ânimo para voltar a viver e esquecer seu dolorido passado. Na cidade grande ela tem que lidar com constante assédio, o que faz lembrar-se do dia de seu estupro e do mal que ele a causou. O filme é recheado de feminismo, mas se trata de um feminismo psicótico e prejudicial à saúde, rebaixando ela ao nível daqueles que à fizeram mal.

Logo ela começa uma caçada por criminosos e estupradores e espalha violência por toda a cidade, assim que sua nova amiga é estuprada e assassinada. O longa tem uma visão bem psicótica dos homens e até aqueles que não apoiam a cultura do estupro são tratados mal, não é uma experiência saudável. Até sua conexão com a polícia é deturpada e ela desconfia de tudo e de todos e na maior parte do tempo está certa. Quando o namorado de sua amiga e provável assassino de sua amiga é absolvido por falta de provas, ela entra em um estado de fúria que a faz se tornar uma pessoa perigosa e violenta. É interessante a forma com que o filme lida com mulheres poderosas e independentes. Ele às idealiza como cruéis, loucas e exageradamente agressivas e essa não é a forma certa de mostrar female power.

Por esses e outros defeitos é um filme bem inferior aos dois primeiros, onde realmente existia um estupro envolvendo a protagonista e então a vingança. Aqui vi apenas um torture porn com qualidade questionável. Não me entenda mal, eu não desgostei do filme pelo excessivo feminismo, eu desgostei porque ele é mal escrito e mal realizado, com suas limitações técnicas (fotografia fraca, direção de arte fraca, efeitos especiais aceitáveis, edição aceitável) sendo escancaradas no decorrer do filme. É uma pena, talvez com um diretor mais experiente o filme teria sido mais bem aceito por mim. O que resta é um filme sem rumo e com pouca motivação que não tem brilho próprio, se apoiando no sucesso do primeiro filme.

Melhor Cena: Cano de metal vs ânus.

Maior Destaque: Violência.

Anúncios