Sinopse: Durante uma aula na universidade, um professor de física pergunta a seus alunos o que são fantasmas, e se é possível provar que eles existem. Como ninguém consegue responder à pergunta, ele decide reunir uma equipe e fazer um experimento, provocando a aparição de seres sobrenaturais para registrar o fenômeno em fotografias.

the-quiet-ones_t64683_jpg_290x478_upscale_q90.jpg

2

Gênero: Terror.

Dirigido por John Pogue.

Protagonizado por Jared Harris e Sam Claffin.

A quanto tempo eu não via um filme da Hammer! Bons tempos! A Hammer pra quem não lembra é a produtora de filmes Trash mais influente dos anos 80 e lançou muitas action figures de seus filmes, que são desejo de consumo de fãs ao redor de todo o globo até hoje.

Este longa mais contido acompanha a estória de um grupo de estudantes que junto a seu professor fazem experimentos pra tentar descobrir se fantasmas existem, e mano, se as criaturas das sombras andam as espreitas deixa elas lá, não meche que da merda. E foi o que aconteceu, como sempre.

Este é o problema do filme, o “como sempre”, ele não traz nada de novo a mesa e é insosso, com um roteiro mediano e atuações abaixo do esperado. Por não ser uma grande produção ou um filme Cult há de se esperar esse tipo de fraquezas, mas vindo da criativa Hammer é uma afronta.

Pra quem gosta de filmes de espíritos e possessão, há cenas que de fato gelam a espinha e causam desconforto, mas elas são encobertas pela babaquice e futilidade dos personagens e a falta de originalidade lhes persegue. Nem mesmo um bom elenco salva o filme, até porque ele é dirigido por um péssimo diretor, que mais faz mal ao desenvolvimento do longa do que ajuda. Fato é que nas mãos certas este seria um grande filme, porque apesar do feijão com arroz o elenco é capaz e vibrante. É um completo desperdício de talentos.

A fotografia é modesta, e não chama a atenção, a direção de arte é decente e não chega a atrapalhar o filme, mas a edição, os figurinos e o clima de Terror não convencem e este acaba sendo apenas mais um filme em meio à multidão. Sem brilho próprio e que está fadado a ser esquecido.

Melhor Cena: É descoberto o segredo de Evey.

Maior Destaque: Elenco.

Anúncios