Não recomendado para menores de 14 anos.

Sinopse: Após ser expulso da montanha de Erebor, o dragão Smaug ataca com fúria a cidade dos homens que fica próxima ao local. Após muita destruição, Bard (Luke Evans) consegue derrotá-lo. Não demora muito para que a queda de Smaug se espalhe, atraindo os mais variados interessados nas riquezas que existem dentro de Erebor. Entretanto, Thorin (Richard Armitage) está disposto a tudo para impedir a entrada de elfos, anões e orcs, ainda mais por ser tomado por uma obsessão crescente pela riqueza à sua volta. Paralelamente a estes eventos, Bilbo Bolseiro (Martin Freeman) e Gandalf (Ian McKellen) tentam impedir a guerra.

492533.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

5

Gêneros: Aventura. Fantasia.

Dirigido por Peter Jackson.

Protagonizado por Martin Freeman, Richard Armitage e Evangeline Lilly.

O capítulo final da saga O Hobbit conta duas histórias paralelas. Em uma delas o dragão Smaug, foragido de Erebor, vai à cidade dos homens que fica perto de sua antiga estadia e começa a instaurar caos, travando uma fervorosa batalha com os habitantes do local. Ao mesmo tempo Thorin fica cego pela riqueza de seus antepassados e fica frente a uma iminente guerra por Erebor, já que o mesmo não quer permitir a entrada de outros em Erebor. Isso tudo misturado gera um desconforto forte entre anões, elfos e Thorin, e cabe a Bilbo Bolseiro e Gandalf colocar panos quentes na intriga.

O melhor dos três filmes da franquia, este filme não impressiona apenas com seu complexo roteiro, mas também com sua exuberante fotografia, as melhores locações da saga, fidelidade impar ao livro, cenas emocionantes, e outras empolgantes, magníficos efeitos especiais – especialmente os usados para a criação de Smaug – e direção de arte insanamente boa. Todas essas características ricas o longa não decepciona em momento algum e o tempo todo parece estar em seu clímax, mostrando poder na narrativa e profissionalismo extremo na realização.

Concluindo, é um filme essencial para os fãs de Fantasia e é o sexto e último filme da saga O Senhor dos Anéis – O Hobbit, devendo ser assistida após os cinco filmes anteriores, para fazer sentido, e é uma conclusão perfeitamente executada para a multimilionária franquia, tendo custado a impressionante marca de 250 milhões de dólares e tendo merecido cada centavo arrecadado com box office e home box office. Na minha opinião este filme só perde para O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei (2004) em qualidade e deixa a sua eterna marca na história do cinema como um dos 100 melhores filmes já feitos.

Melhor Cena: Thorin percebe seus erros e luta na batalha final.

Anúncios