Não recomendado para menores de 18 anos.

Sinopse: Anos após a Guerra Civil, um caçador de recompensas e sua prisioneira são atingidos por uma nevasca e buscam abrigo com seis desconhecidos suspeitos.

207268.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

4

Gênero: Faroeste.

Dirigido por Quentin Tarantino.

Protagonizado por Samuel L. Jackson, Kurt Russell e Jennifer Jason Leigh.

Com uma fantástica trilha sonora, o filme mais épico da carreira de Quentin Tarantino começa em uma nevasca, onde o personagem de Kurt Russell, conhecido como The Hangman, procura refúgio com sua prisioneira no meio do nada, em seu caminho eles conhecem seis peculiares pessoas, sendo a primeira delas o protagonista do filme, Major Marquis Warren, que é interpretado brilhantemente por Samuel L. Jackson. Os outros, cada um com seu estilo de vida e história pra contar. As revelações de seus passados as levam a uma rota de colisão eminente, e é aí que o filme brilha. Como sempre, Tarantino tem um gosto único por violência extrema e exagerada, além de uso excessivo de palavrões.

A fotografia é espetacular, as músicas se encaixam perfeitamente nas cenas, as atuações são show de bola, especialmente da parte de Tim Roth, Kurt Russell, Michael Madsen e Samuel L. Jackson. O ritmo do filme é intenso, complementado por uma excelente direção de arte que goza de locais belos nas gélidas montanhas, de exímio bom gosto. O filme também tem figurinos de época, muito elaborados e luxuosos e uma primorosa edição de vídeo, com agilidade mesmo em longos takes e que costura perfeitamente a tênue linha entre Faroeste e Drama, onde o filme se encontra.

A maior parte do filme foi feito na mesma locação dando um ar de retorno às origens de Tarantino, em Cães de Aluguel (1992), onde grande parte do filme também se passa na mesma sala, com os mesmos personagens. É uma homenagem interessante ao filme que levou Tarantino para a fama e eu acredito que é mais difícil e desafiador ainda para os atores filmarem no mesmo set por quase três horas, pelas limitações cênicas impostas por um roteiro linear e centralizado, dividido em capítulos.

Concluindo, é mais uma obra prima do nosso amado Quentin Tarantino, que temerosamente seria seu último filme, até ele mudar de ideia – ele afirmou no passado que ia se aposentar após seu oitavo filme mas com o tempo, felizmente voltou atrás. Ele entrega uma direção forte e uma produção robusta que lhe custou gordos 44 milhões de dólares para ser feita, e conta com os típicos easter eggs que mostram que este filme se passa no mesmo universo de outros filmes que ele fez no passado, em sentido atemporal e não cronológico. Agora ele anda interessado em filmes de Faroeste e descobriu que os faz muito bem, deixando sua marca em um dos mais velhos gêneros do cinema moderno.

O filme de forma alguma é apropriado para crianças e adolescentes por ser extremamente violento e profano, e cabe aos pais fazer vista grossa para que seus filhos não encontrem esse filme no Netflix, pra onde foi diretamente após sair do cinema. Além de tudo, há a inovação de ser um Faroeste no gelo, novidade quentinha – não literalmente – de Quentin Tarantino para seus fãs. É interessante notar também que praticamente todo o elenco já trabalhou com Tarantino antes.

Melhor Cena: O tiroteio próximo ao fim.

Anúncios