Sinopse: Tentando encontrar sua irmã desaparecida, Clay Miller (Jared Padalecki) resolve ir à sombria floresta do lendário Crystal Lake, onde esbarra nos vestígios de velhas cabanas apodrecendo por trás de árvores cobertas por musgo. Contra as recomendações da polícia e os avisos dos habitantes locais, Clay vai atrás das poucas pistas que tem, com a ajuda de Jenna (Danielle Panabaker), uma jovem que ele conhece em um grupo de faculdade que pretende passar um emocionante fim de semana no local. Mas eles estão prestes a achar muito mais do que gostariam: o assassino que assombra Crystal Lake, Jason Voorhees (Derek Mears).

db169a23c651a11f9ab6bcf34779317b_jpg_290x478_upscale_q90

2

Características: Violento. Sangrento. Inautêntico. Chato. Dispensável.

Um reboot que se passa após o primeiro filme Sexta-Feira 13, a versão de 2008 é inautêntica e suga de todos os elementos já apresentados pela saga pra fazer um filme vulgar e chato, apesar de extremamente violento e sangrento. Ele narra a estória de um grupo de adolescentes, como sempre, que vão ao acampamento do lago Crystal Lake beber e transar, sem saber que a lenda do Terror ainda está por lá e quer sangue derramado.

A premissa é simples, como em todo filme da série, e ele marca pela agressividade das mortes e erra em colocar um ator reconhecido (um dos protagonistas da série Sobrenatural como mocinho, apenas pra fazer dinheiro. Não há nada de novo aqui, apenas uma repetição do que vimos nas últimas três décadas mas sem a mesma originalidade da época, e sem o bom humor de filmes como Sexta-Feira 13 VI: Jason Vive (1986), que marcaram essa longa saga de Terror.

Não muito diferente dos filmes fracos da saga, esse apresenta uma trama que não convence, contando a estória de forma repetitiva e pouco interessante. Vale ressaltar que este é um remake de filme de Terror, e isso é comum acontecer no gênero, mas é chato quando filmes novos prejudicam o legado da franquia com falta de originalidade e um elenco relativamente fraco. Ao menos ele é a entrada mais violenta da série e serve pra empolgar nesse aspecto, mas não busque muito mais que isso porque definitivamente não irá encontrar.

Concluindo, é um filme de serial killer bem básico, sem se aventurar em nenhum aspecto, e que podia ser melhor representado com uma estória mais complexa, elenco menos superficial, mortes mais engenhosas e menos repetitivas e um pouco da magia que fez dos clássicos filmes de forte entretenimento e muita diversão sádica, pra fã de Terror nenhum botar defeito. Velhos e bons tempos que não voltam mais.

Melhor Cena: A morte de Lawrence.

Anúncios