Livre.

Sinopse: Após não conseguir salvar um guaxinim, Ace Ventura (Jim Carrey) impôs a si mesmo um exílio entre monges no Himalaia. Mas ele acaba indo viajar para a província de Bonai, Níbia, África, a fim de tentar recuperar o grande morcego branco sagrado, que foi prometido como dote quando a princesa da tribo dos Wachati, uma tribo pacífica, se casar com o filho mais velho dos Wachootoo, uma tribo sanguinária. Se o morcego não for recuperado em tempo hábil isto ocasionará uma guerra e os Wachati serão massacrados, pois os Wachootoo vão considerar isto um insulto e o desaparecimento do morcego uma maldição. Ace tenta ajudar da melhor maneira possível, mas para ele a melhor maneira implica em várias confusões.

09664871

4 estrelas

Gêneros: Comédia. Aventura.
Protagonizado por Steve Oedekerk.
Protagonizado por Jim Carrey.

A segunda aventura de Ace Ventura (Jim Carrey) começa com a tentativa de salvar um guaxinim, que após falhar deixa Ventura sequelado e o faz ficar recluso, apenas até ser chamado para uma nova missão no coração da África, onde um morcego branco que simboliza uma tribo desaparece, causando desconforto entre os membros e deixando Ace Ventura confuso pela falta de provas além de apavorado, por seu extremo medo de morcegos.

A história é bem exagerada e as caretas e trejeitos de Ace Ventura cativam, com ele fazendo movimentos e sons estranhos a todo momento e adotando uma espécie de humor over the top menos presente no primeiro filme, que nos agracia com a genialidade que só um talento imenso como Jim Carrey pode trazer a mesa.

O filme em sua maior parte é familiar, com algumas piadas de duplo sentido que não serão percebidas pelas crianças, então é uma boa opção pra assistir com a família no final de semana, com diversão garantida pra todas as idades. São muitas as cenas a destacar mas eu considero a mais marcante a bizarra cena do filme e uma das mais hilariantes da história do cinema, onde Ventura é “parido” por um rinoceronte falso.

Concluindo, o filme tem uma abordagem mais iconoclasta e inesquecível, demonstrando ser um um filme um tanto bobo para alguns públicos, mas icônico para outros, com talvez a melhor performance de toda a carreira de Jim Carrey, ao lado de seu papel principal no file O Máskara (1994). Acredito que todo mundo vai achar seus trejeitos hilários e suas tentativas de se comunicar com a tribo geniais, e o filme marcou a infância de muita gente e continua tão original quanto era na época, então eu recomendo à todos os públicos.

Se gostou do review curta, compartilhe, comente e principalmente, se inscreva pra receber nosso delivery de postagens no seu e-mail. Até o próximo review e um abraço.

Melhor Cena: O parto do rinoceronte.
Anúncios