Sinopse: Jonah Hex (Josh Brolin) é um caçador de recompensas andarilho marcado por seu rosto desfigurado, um atirador durão e cínico que consegue localizar qualquer pessoa e qualquer coisa. Além de ter escapado da morte, Jonah tem uma história de vida violenta, cheia de mitos e lendas que o deixaram com um pé no mundo real e outro no ‘outro lado’. Sua única ligação dentre os humanos é Leila (Megan Fox), cuja vida em bordéis também lhe deixou cicatrizes profundas. Mas o passado de Jonah está prestes a alcançá-lo quando o exército americano lhe faz uma proposta irrecusável: em troca de anistia, ele precisa encontrar e deter o perigoso terrorista Quentin Turnbull (John Malkovich). Turnbull, que está reunindo um exército e se preparando para abrir as portas do inferno, também é o mais antigo inimigo de Jonah e não vai parar até vê-lo morto.

jonah_hex_movie_poster_comic-con_hi-res
2-estrelas
Título Original: Jonah Hex
Classificação Indicativa: 14 Anos.
Gêneros: Faroeste, Ação e Drama.
Dirigido por Jimmy Hayward.
Protagonizado por Josh Brolin e Megan Fox.

 A DC Comics errou feio nesta adaptação de seus clássicos quadrinhos do caçador de recompensas Jonah Hex (Josh Brolin) trazendo um filme sem carisma e que não contagia como as histórias que todos nos conhecemos, chamando mais atenção pela maquiagem do ator Josh Brolin do que a história em si, onde o justiceiro perdeu toda a sua família em um incêndio criminoso por parte de um fora da lei que ele previamente havia matado a família também.

Então Jonah Hex decide vingar-se descontando em outros fora da lei em busca de anistia ao procurar o perigoso terrorista Quentin Turnbull (John Malkovich), que é o responsável pela morte de toda a sua família, em sua missão mais difícil até hoje. Sua única afetividade é com a prostituta Leila (Megan Fox), do qual ele compartilha suas um relacionamento intimo que está em uma fase difícil, porque Hex não quer largar seu ofício e fugir com Leila.

A história é legal, mas é muito mal desenvolvida, e mesmo com os trechos em quadrinhos, lembrando por vezes Kill Bill (2003), e podia ter se saído muito, mas muito melhor mesmo, nas mãos do declarado fã dos quadrinhos Quentin Tarantino, que pra quem não conhece é ninguém menos que o melhor diretor da face da Terra, e é muito aficionado por Westerns.

Se você busca um filme pra se divertir por 80 minutos, sem compromisso, este filme pode até te agradar, mas para um público um mínimo exigente e que procura por um melhor desenvolvimento de personagens a decepção é uma certeza e Jonah Hex entrega uma experiência pouco empolgante e dispensável. Com um pé na Fantasia, o filme tem como seu único trunfo as cenas onde os poderes de Hex são usados ou as criaturas do deserto são mostradas lutando com humanos para o entretenimento dos espectadores, tanto do local quanto nossa. No fim, é apenas um filme que a DC Comics quer apagar de seu passado.

Se você gostou  da postagem curta, compartilhe, comente e se inscreva pra receber no seu e-mail os novos posts do blog.

Anúncios