104246.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

4

Sinopse

Recentemente os Creeds se mudaram para uma nova casa nos arredores de Chicago. A casa é perfeita, exceto por duas coisas: os reboques, que vivem fazendo barulho na estrada, e o misterioso cemitério no bosque atrás da casa. Os vizinhos dos Creeds estão relutantes em falar sobre o cemitério e eles tem um bom motivo para tal comportamento. Gradativamente o casal toma conhecimento da verdade e ficam chocados ao saberem do perigo que seus filhos correm. Quando o gato da família morre atropelado, eles o enterram em um cemitério indígena que tem o poder de ressuscitar o que for deixado naquele terreno, mas as consequências são inimagináveis.

Uma clássica adaptação de um conto de Stephen King que é hoje em dia muito subvalorizada.

Um filme que sabe bem o que ele é, e não tenta ser mais do que é, da gosto de ver. Esse é o caso de Cemitério Maldito (Pet Sematary), um filme modesto mas que passou a ser sub-valorizado nos anos 2000 apesar da sua fidelidade ao conto de Stephen King que originou a história. Quando o gato da família Church é enterrado em um cemitério indígena, ele volta a vida, porém, agressivo e fedendo. Quando o filho do casal também sofre um acidente, ele é sepultado normalmente, mas logo Louis Creed (Dale Midkiff) o desenterra e o leva para o cemitério indígena e o enterra. Rapidamente ele volta, mas com sede de sangue. É um roteiro simples, mas faz um estrago, que puta que pariu! Os atores foram bem escolhidos e fazem jus a seus personagens, especialmente da parte Dale Midkiff que dispõe de um excelente personagem para trabalhar. A diretora Mady Lambert e a equipe de fotografia também fazem bonito e entregam um bom trabalho, cheio de virtudes e com pouquíssimos defeitos. A história é bem contada e não é monótona como muitos que viram nos dias de hoje alegam. Ele só é um filme que mistura Suspense ao Terror e vai construindo tensão até chegar a seu nojento clímax que deixa o aviso, algumas coisas são melhores quando deixadas mortas. Stephen King sempre usou de destreza em seus livros e no caso do conto Cemitério Maldito não é diferente. É lógico que no livro ele é mais bem detalhado, mas a magia do cinema faz milagres mesmo contando histórias simples e que podiam passar despercebidas pelo público se não fosse o filme, e este que estou falando, é sim, melhor que no livro, e seu legado como uma das melhores adaptações de contos de Stephen King viverá por toda a eternidade.

Anúncios